quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

IDEB



 O Índice do IDEB de algumas cidades brasileiras continuam baixo, porque as pessoas ainda não entenderam que avaliações externam apenas revelam os dados baseados na realidade que os cerca.
Se o IDEB vai mal, alguma coisa vai mal nestas cidades.
Aceitar a realidade é o primeiro passo para uma mudança.
Mas as pessoas insistem em varrer a poeira para debaixo do tapete. 
Existe um conjunto de fatores que diminuem o IDEB? Sim. 
E existe também um conjunto de fatores que o elevam? Sim. 
Basta parar para pensa-los, planejá-los e executá-los.
O IDEB não se eleva com projetos de curto prazo. É preciso pensar o macro para transformar o micro.    

Nenhum comentário: