terça-feira, 12 de agosto de 2008

Depressão em Crianças

Eu estou de licença médica a 7 meses por conta da depressão.

Sei bem os maus momentos que atravessei e ainda atravesso por causa dessa doença,que como qualquer outra tem que ser tratada,porque senão pode causar danos irreversíveis na auto estima e na mente da pessoa.

Quando li essa reportagem,achei que valia a pena compartilhar com vocês,pois enquanto profissionais da educação e lidando com crianças de todas as idades devemos estar ligados em todos os assuntos referentes a elas.

Espero que possam aproveitar a matéria de alguma maneira.

"Nem sempre as crianças estão contentes. Tal como os adultos, muitos são os momentos de menor felicidade e de maior tristeza. Contudo, este mal estar é muito diferente daquele que estamos habituados por parte dos mais velhos.

Confusa, triste e um pouco medrosa, a criança não consegue demonstrar por via das palavras o que a aflige ou que lhe provoca tamanha desilusão. Muito dificilmente conseguirá obter do seu filho uma palavra de mágoa ou de solidão, pois normalmente essa angústia expressa-se através de comportamentos estranhos e duvidosos em casa ou na escola.


Gritos ou berrarias incompreensíveis, podem ser um grave indício que algo não está a correr bem no universo infantil do seu filho. As pessoas nem sempre o conseguem compreender e julgam tratar-se de mais uma birra, do que algum sintoma de perturbação psicológica ou de incómodo relativamente a algo. Enquanto as crianças demonstrarem pequenos sinais, não estamos muito mal. O pior é quando a criança se fecha no seu mundo e guarda tudo para si, sem exprimir o mínimo sintoma que seja. Os pais julgam tratar-se apenas de timidez, quando às vezes este confuso silêncio significa muito mais do que isso.


Os pais ou professores não fazem ideia do que se passa com a criança e, mais tarde quando atingirem a idade adulta, esses momentos de solidão, angústia ou medo terão a sua aparição de uma forma bem mais complexa e prejudicial. Quando se fala de depressão infantil, esta pode ser motivada por um conjunto de situações ligadas ao mundo da criança ou mesmo acontecimentos exteriores que a marquem profundamente. A relação dos pais complicada e o ambiente familiar tem graves influências no estado psicológico da criança, que no futuro podem determinar o seu comportamento social e afectivo.


A depressão infantil pode exprimir-se através de um comportamento exageradamente agressivo, ou pela via do silêncio, choro, expressão no rosto demasiadamente entristecido ou um comportamento apático e inexplicavelmente calmo. Porém, deve ter em conta que nem todos os choros são de tristeza e, há que saber fazer a devida distinção.


O facto de ter mudado de ambiente escolar ou mesmo da zona de residência, pode dar origem a uma depressão. Se não demonstrar e transmitir carinho ao seu filho, o mais certo é isso motivar uma apatia e tristeza da parte dele, já que se sente isolado e abandonado. As excessivas exigências que os pais fazem para com os filhos, podem originar uma pressão tão forte nas crianças que as mesmas não aguentam e acabam por se entregar ao estado depressivo.


O aparecimento de doenças, como é o caso do sarampo, deixam à sua passagem algumas reacções nas crianças menos saudáveis e depressivas. A perda de energia ligada ao desaparecimento da doença, não se sabe muito bem se provem de características fisicas ou ao nível do ambiente, mas a certeza é que elas acontecem por diversas ocasiões.

Em fases de depressão ou de suspeita, o ideal é consultar de imediato o pediatra da criança para que esta seja encaminhada para um psiquiatra infantil. Até se atingir o êxito da doença pode levar alguns anos, mas o fundamental é que a recuperação seja total e até à data, esse êxito tem-se vindo a verificar anos mais tarde. É um trabalho lento mas que favorece em muito a personalidade da criança, ainda que seja necessário um apoio e uma boa dose de comunicação por parte da família."

fonte ABC do bebé

4 comentários:

Almanaque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Almanaque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Almanaque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Almanaque disse...

Procurando subsídios para elaborar uma proposta para professor coordenador... aqui estou! Ainda não tive tempo de ler tuas experiências e dicas, mas já deu para perceber que estamos no mesmo barco e que muito proveito espero retirar de teus escritos e reflexões. Até breve, minha cara colega!
www.almanaquedopanis.blogger.com.br