terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Os erros mais comuns na elaboração do PPP


Alguns descuidos no processo de elaboração do projeto político-pedagógico podem prejudicar sua eficácia e devem ser evitados:

- Comprar modelos prontos ou encomendar o PPP a consultores externos. "Se a própria comunidade escolar não participa da preparação do documento, não cria a ideia de pertencimento", diz Paulo Padilha, do Instituto Paulo Freire.

- Com o passar dos anos, revisitar o arquivo somente para enviá-lo à Secretaria de Educação sem analisar com profundidade as mudanças pelas quais a escola passou e as novas necessidades dos alunos.

- Deixar o PPP guardado em gavetas e em arquivos de computador. Ele deve ser acessível a todos.

- Ignorar os conflitos de ideias que surgem durante os debates. Eles devem ser considerados, e as decisões, votadas democraticamente.

- Confundir o PPP com relatórios de projetos institucionais - portfólios devem constar no documento, mas são apenas uma parte dele.

Fonte: Nova Escola on line

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O professor avaliado


O professor avaliado


Estudo mostra que docente brasileiro vê utilidade em ser analisado pela escola, desde que num processo formativo


Camila Ploennes
 
Avaliação dos professores é uma prática diretamente relacionada ao desenvolvimento dos profissionais e, consequentemente, à melhoria das escolas. A reportagem Avaliar para formar (edição 181) ouviu de docentes de instituições brasileiras públicas e privadas que ter o trabalho avaliado é fundamental, desde que o processo seja formativo e leve em conta perspectivas diversificadas, como autoavaliação, orientação por disciplina e feedbacks contínuos. Um estudo publicado no Journal of Teacher Education aponta que o mesmo acontece em outros lugares do mundo: a maioria dos professores consultados em 23 países valoriza a avaliação e o retorno recebido dos diretores e colegas. E considera que isso faz uma real diferença em suas práticas na sala de aula.
O artigo levou em conta os dados do Teaching and Learning International Survey (Talis), O Estudo Internacional de Ensino e Aprendizagem, conduzido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em 2007 e 2008. No total, foram entrevistados mais de 70 mil professores das séries que correspondem ao ensino fundamental 2 do Brasil, além de seus diretores. Na média dos países, 4 em cada 5 professores relataram que o feedback recebido é justo e 3 em 4 docentes acreditam que esse retorno é útil para seu trabalho.
O estudo aponta que avaliação e feedback levaram a mudanças em oito aspectos do trabalho em sala de aula. Mais da metade dos professores brasileiros que passaram por alguma avaliação nos 18 meses anteriores à pesquisa acredita que ela tem impacto em seis desses aspectos da profissão. Aproximadamente 65% relataram que a avaliação e/ou retorno levaram a mudanças na ênfase que eles dão em melhorar as notas dos estudantes nas provas; 52,9% disseram que esses dois processos influíram em desenvolvimento ou plano de treinamento para melhorarem seu ensino; 60,1% afirmaram que mudaram suas práticas de gestão da sala de aula; 59,9% apontaram evolução na compreensão do assunto principal de seu campo; 59,2% disseram ter melhorado o conhecimento de práticas de instrução; 53,7% relataram melhora na disciplina dos alunos e problemas de comportamento.
Em menor número, 26,8% dos professores identificaram impacto positivo no ensino de alunos com necessidades especiais de aprendizagem e aproximadamente 44% informaram evolução no ensino de estudantes em ambiente multicultural.
O cenário do Brasil é mais parecido com o de México, Bulgária e Malásia. E bem diferente de Coreia do Sul, Noruega, Austrália, Áustria e Bélgica, por exemplo, onde nenhum dos 8 aspectos passa dos 50%.

 fonte:http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/189/o-professor-avaliado-276000-1.asp

domingo, 13 de janeiro de 2013



Para nossos politicos refletirem: "Se você acha que a educação é cara, experimente a ignorância." 
Derek Bok





terça-feira, 8 de janeiro de 2013

10 anos da lei 10639/03: Ainda é preciso redimensionar nosso olhar

Há 10 anos atrás, o presidente Lula modificava a LDB e inseria nos  currículos da educação básica, os estudos obrigatórios de história e cultura africanas e afrobrasileiras.
Em 2004,  oriunda do movimento político social, atrevi-me  numa jornada na implementação da  recém saída do berço, lei  10.639/03 no município de japeri.
Logicamente que nos amplos debates nos movimentos negros e sociopolíticos que frequentei nos anos 80-90, nunca deixamos de discutir estas questões  Mas por onde ir? o que alcançar? simplesmente pesquisar referencias de Africa e inserir no currículo como uma coisa a mais a ser cumprida? Não nego, nem  nunca poderei negar, que encontrei várias barreiras pela frente: uma delas, era a dificuldade de material para pesquisa. Esta, eu penso que  foi superada, pois hoje 10 anos depois, com o advento do google e das várias excelentes publicações existentes no mercado, só fica por fora do assunto, quem assim o desejar.
Porém, a dificuldade da lei efetivamente acontecer no espaço escola, de tocar as pessoas,  continua sendo a principal, senão a  mais importante interferência na implementação.
Nestes anos de caminhada. e pela dificuldade inicial de material pedagógico pertinente, decidi que o mais importante na implementação era fomentar a discussão sobre o racismo. esta  inclusive é hoje uma das correntes disseminadas nos meios de estudo do assunto.
Percebi que o sentimento de pertença ao tema era o minimo possível, e o pior,  a curiosidade era ínfima.
Eu tinha  grandes problemas pele frente. Poderiam dizer que seria  fácil implantar a lei num município onde pelos dados do IBGE há mais de 60% de pretos e pardos.
Mas não foi. Não é.
 Japeri é um município pobre com o menor índice de IDH do estado,  um município de baixo IDEB,e  onde quase 90% da população se reconhece como cristãos protestantes e compreendem  erroneamente que o universo africano é apenas o da cosmovisão  da religiosidade. Um universo  dessacralizado, inferior, corruptível para  todas as almas brancas cristãs.
Foi complicado, e ainda é.
Quando digo africanidades, não sei se esse seria o termo correto, estou falando de uma memoria coletiva de nossa ancestralidade. E é nisso que vem se transmutando o meu trabalho.
Discutir o racismo é imprescindível  ainda mais porque é tão oculto, mas tão oculto, que as vezes, algumas pessoas acreditam que ele nem exista.
Mas agora, 10 anos depois, vejo que o que é imprescindível   na implantação da lei é exatamente saber onde começa e termina  a nossa herança cultural que nos faz identitários de uma memória que nos forma enquanto povo.
A herança europeia tem uma marca muito presença na nossa memoria,  jmaginário, oralidade, pontos de vista, saberes e fazeres.
A herança indígena e negra é facilmente descartada como uma herança menor, sem significado e significância.
Carregamos o gene do descrédito da importância da nossa origem
Encontrei nesses 10 anos de jornada, alunos e professores que embora negros ou pardos, ou reconhecidamente mestiços, negavam-se a ser parte constitutiva dessa história.
Encontrei professores que mesmo com formação acadêmica zombavam dos aspectos culturais africanos como primitivos e/ou ultrapassados.
Encontrei gestores que se negaram a realizar projetos na semana da consciência negra, por exemplo, por se tratar de coisa de preto, então sem importância.
O resgate da memória, da formação, do imaginário, do sentimento de pertença da nossa ancestralidade, é o que me move dez anos depois.
Muitos projetos foram realizados, muitas falas foram ditas, materiais pedagógicos  entregues, mas ainda sinto que estamos falando num território que nos impede de entrar.
Esses territórios , eminentemente humanos,  ou se cobrem se vergonhe por ter a pele preta, ou negam o sangue  de pretos e pretas que correm  sinergicamente misturados nas nossas veias.
 Em 2005, criei o Núcleo Étnico na Secretaria Educação de Japeri, promovi  junto com meus pares 7 Semanas da Consciência Negra, escrevi e implementei tantos projetos,  publiquei alguns artigos, viajei pelo Brasil  participando de muitos seminários,  incentivei professores e alunos na luta por uma educação pela vida, mas ainda sinto que  há muito a ser feito.
Quando olho pra trás nesses 10 anos, vi que os passos dados para trás foram maiores que os dados para a frente.
É difícil falar de racismo com as pessoas.
É difícil falar de diferenças com as pessoas. Elas não entendem  que as diferenças  são  ponto de partida,  e não de chegada.
Existem pessoas  que são sistemas fechados, presas em esteriótipos e paradigmas muito bem orquestrados pelos sistemas  econômicos globais de vários séculos.
Vivemos ainda uma tímido avanço na implantação da lei 10 639/03. embora seja notável, o que todos andam produzindo e realizando  ao longo destes dez anos