terça-feira, 29 de setembro de 2009

Oficina de Monteiro Lobato



Nos dias 7, 14 e 21 de outubro Laura Sandroni estará ministrando a Oficina: Monteiro Lobato e a renovação da literatura destinada a jovens e crianças no Brasil.
Será uma rara oportunidade de aprender e discutir sobre a trajetória desse grande autor com a especialista no assunto.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

UNEB abre 1.520 vagas para Pós Graduação Gratuitas

Vamos aproveitar para estudar, minha gente!

A UNEB abre 1.520 vagas para Cursos gratuitos de Pós-graduação lato sensu na modalidade Educação a Distância (EaD) - Oferta tem parceria do programa federal Universidade Aberta do Brasil (UAB) - Inscrições: de 15/setembro a 13/outubro, exclusivamente pela Internet

A Universidade do Estado da Bahia (UNEB) abre processo seletivo para cursos gratuitos de pós-graduação lato sensu na modalidade educação a distância (EaD).

Estão sendo oferecidas 1.520 vagas para quatro cursos de especialização - Gestão de Saúde, Gestão Pública, Gestão Pública Municipal e Educação a Distância -, distribuídas em 20 pólos, sediados em cidades do interior do estado.

As inscrições para as pós-graduações devem ser efetuadas de 15 de setembro a 13 de outubro, exclusivamente pela internet, através dos endereços eletrônicos www.vestibular.uneb.br e www.consultec.com.br. O processo está sendo realizado concomitantemente ao Vestibular 2010 da universidade.

Os candidatos devem efetuar o pagamento, através de boleto bancário, da taxa de inscrição, no valor de R$100.

Todos os passos e requisitos para o processo seletivo estão detalhados no edital e no termo aditivo da seleção.

As pós-graduações têm carga de 420 horas-aula, que compreende o período de 18 meses de curso.

Os candidatos devem ficar atentos ao conteúdo programático da prova de seleção, que acontece no dia 6 de dezembro, no turno vespertino.

Os locais de realização da prova serão divulgados nos mesmos sites das inscrições. Os portões vão abrir às 14h30 e serão fechados às 14h50. Os concorrentes terão duas horas para responder as questões do processo seletivo.

Os cursos e o processo seletivo em EaD oferecidos pela UNEB estão em conformidade com o programa Universidade Aberta do Brasil (UAB), do Ministério da Educação (MEC).

"Hino à Negritude"

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou, no dia 10 de setembro, a oficialização em todo o território nacional do "Hino à Negritude", composto pelo poeta e professor Eduardo de Oliveira.

A medida - proposta pelo deputado Vicentinho (PT-SP) no Projeto de Lei 2445/07 - foi aprovada em caráter conclusivo.

O deputado Vicentinho explica que o objetivo do projeto é favorecer o reconhecimento da trajetória do negro na formação da sociedade brasileira.

"Não temos ainda símbolos que enalteçam e registrem este sentimento de fraternidade entre as diversas etnias que compõem a base da população brasileira", afirma o autor da proposição.

Leia abaixo a letra do "Hino à Negritude", de autoria do professor Eduardo de
Oliveira:


Hino à Negritude (Cântico à Africanidade Brasileira)

I
Sob o céu cor de anil das Américas
Hoje se ergue um soberbo perfil
É uma imagem de luz
Que em verdade traduz
A história do negro no Brasil
Este povo em passadas intrépidas
Entre os povos valentes se impôs
Com a fúria dos leões
Rebentando grilhões
Aos tiranos se contrapôs
Ergue a tocha no alto da glória
Quem, herói, nos combates, se fez
Pois que as páginas da História
São galardões aos negros de altivez

II
Levantado no topo dos séculos
Mil batalhas viris sustentou
Este povo imortal
Que não encontra rival
Na trilha que o amor lhe destinou
Belo e forte na tez cor de ébano
Só lutando se sente feliz
Brasileiro de escol
Luta de sol a sol
Para o bem de nosso país
Ergue a tocha no alto da glória
Quem, herói, nos combates, se fez
Pois que as páginas da História
São galardões aos negros de altivez

III
Dos Palmares os feitos históricos
São exemplos da eterna lição
Que no solo Tupi
Nos legara Zumbi
Sonhando com a libertação
Sendo filho também da Mãe-África
Arunda dos deuses da paz
No Brasil, este Axé
Que nos mantém de pé
Vem da força dos Orixás
Ergue a tocha no alto da glória
Quem, herói, nos combates, se fez
Pois que as páginas da História
São galardões aos negros de altivez

IV
Que saibamos guardar estes símbolos
De um passado de heróico labor
Todos numa só voz
Bradam nossos avós
Viver é lutar com destemor
Para frente marchemos impávidos
Que a vitória nos há de sorrir
Cidadãs, cidadãos
Somos todos irmãos
Conquistando o melhor por vir
Ergue a tocha no alto da glória
Quem, herói, nos combates, se fez
Pois que as páginas da História
São galardões aos negros de altivez
(bis)

Conferência Intermunicipal de Educação da Metro 1

Realizou-se dia 18 e 19 de setembro a Conferência Intermunicipal de Educação da Metro I que fizeram parte os municipios de Japeri, Nova Iguaçu, Mesquita, Queimados e Nilopólis.

A escola sede foi o CIEP 172 em Comendador Soares, onde os professores, profissionais, pais, alunos e comunidade dos cinco municipios puderam avançar nas discussões das propostas dos eixos temáticos inseridos no documento referência enviado pelo MEC, onde discute-se desde o papel do estado na educação até justiça social, passando por acesso e permanência, qualidade e avaliação da educação.

A sensibilizaão dos Grupos de Trabalho foram feitos por profesores do Campus da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro(UFRRJ)em Nova Iguaçu.

os debates nos GT's e nas plenarias de eixo foram bastantes discutidas com muitos questionamentos levantados e muitas interferências de aditivação e supreção dos paragrafos considerados não pertinentes pelos professores e demais membros das plenárias.

A Comissão Orgnizadora, da qual eu faço parte, esperava aproximadamente 611 representantes, porém, o numero alcançado foi de aproximadamente 400 profissionais em transito nos dois dias.

Claro que nem tudo foi um mar de rosas, fazer um evento dessa grandeza é correr riscos, mas tudo foi pensado de maneira que as discussões fossem a prioridade, e que tudo ocorresse da maneira mais democratica possível, com a participação de todos.

Na noite de sábado, como as discusões dos eixos permaneciam polêmicas, a plenária decidiu encaminhar as propostas não discutidas e aprovadas para a Conferência Estadual de Educação e assim, avançamos na eleição de delegados da nossa região.

A eleição de 66 delegados ocorreu de maneira tranquila e é fundamental para levarmos adiante as teses de melhoria da nossa região da baixada fluminense e o fortalecimento da nossa categoria cno professores.

A Conferência Estadual do Rio de Janeiro está marcada para os dias 22 e 23 de Novembro.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Bienal do Rio

No dia 19, ás 11 da manhã estarei na Bienal divulgando meu livro "O Menino que queria chorar estrelas"





Ficaria feliz de vê-los por lá!

Pavilhão Azul,Stand GO3.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Reflexões sobre Educar

E você professor, está tranquilo com sua carreira?

Com seus planos de aula?
Com a aprendizagem dos seus alunos?
Com o seu próprio rendimento nas aulas que dá?
Que tipo de professor,você realmente é?

Já parou para pensar sobre isso?

Já se fez essa pergunta durante a sua caminhada como educador?
A resposta é importante na construção da identidade de educador que somos,na maneira como lidamos com os nossos alunos, com as dificuldades da rotina de sala de aula.

O nosso comportamento influencia diretamente na aprendizagem deste aluno.
O nosso afeto ou a falta dele, a sensibilidade, ou a agressividade com que encaramos os alunos e o próprio ato de ensinar,a nossa falta de tato,ou a incompreensão do todo, do vivido do educando nos leva a um determinado tipo de resultado.

Nem sempre compensador.

Se estamos tranquilos com o todo,alguma coisa,caro colega,vai de mal a pior.
Estar tranquilo como educador não é uma virtude.Antes pelo contrário,é o sinal vermelho que está ligado,nos pedindo mudanças urgentes.

Educar não exige moeda de troca.

Educar é ter estratégias para fazer o outro adquirir gosto por conhecer.
Saber na verdade,se compartilha.

E atualmente, na educação,não há mais espaço para o educador que não agrega valor ao que faz.

Não existe mais espaço para o educador que não escute seu coração,que não crie momentos de alegria e afeto com suas turmas.

Como diria Gorki" Quando o trabalho é um prazer, a vida é uma alegria.
Quando o trabalho é um dever, a vida é uma escravidão".

É preciso lançar mão de nós mesmos no ato de educar, é preciso estar disposto a liderar estas crianças,jovens e adultos que passam por nossas mãos todos os anos e que vão se tornando a cada ano que passa uma legião de alienados do processo educativo, do ato de aprender,do ato de ler, desconhecedor das relações sociais da escola e da relação professor-aluno.

É com horror que ouço narrativas de Coordenadores Pedagógicos, que intransigentes na culpalização do aluno,tratam crianças de seis anos de idade como se fossem bestas feras agressoras da pobre professora que ao não saber se defender desta criatura tão terrível, expulsa a criança da sala ou lança mão de adjetivos como:"-Você é um bicho!"

Alguma coisa está errada com o imaginário escolar.

Alguma coisa não vai bem quando perdermos a nossa capacidade de pensar profissionalmente num momento de conflito.

Esta é a hora de estabelecer um compromisso real com a educação.

E você professor,está tranquilo com tudo isso?

Sobre racismo

"Mais um equivoco a superar é a crença de que a discussão sobre a questão racial se limita ao Movimento Negro e a estudiosos do tema e não a escola. A escola, enquanto instituição social responsável por assegurar o direito da educação a todo e qualquer cidadão deverá se posicionar politicamente, como já vimos, contra toda e qualquer forma de discriminação.
A luta pela superação do racismo e da discriminação racial é, pois, uma tarefa de todo e qualquer educador,independentemente de seu pertencimento étnico-racial, crença
religiosa ou posição política. O racismo, segundo o Artigo 5º da Constituição Brasileira, é crime inafiançável e isso se aplica a todos os cidadãos e instituições, inclusive, à escola". (BRASIL, 2004 p. 16,2004).

Fonte: Revista África e Africanidades – Ano 2 - n. 6 - Agosto. 2009 - ISSN 1983-2354
www.africaeafricanidades.com

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Quem mexeu no meu queijo?

Este vídeo é ideal para dar uma mexida na equipe.

O medo, a insegurança e por vezes, o conhecido se tornam agentes paralisantes da mudança.

Nosso papel como coordenadores é orquestrar para que a equipe reflita.

A Reflexão é fundamental para abrirmos mão do que não está dando certo e nos sentirmos seguros para enfrentarmos o desconhecido.