terça-feira, 31 de agosto de 2010

Sobre Secretarias de Educação

Estava pensando nestes dias, que as decisões das secretarias de educação nem sempre são pedagógicas ou vão de encontro com aquilo que  os professores pensam ou querem.Isso é um fato preocupante e pouco comentando quando fala-se nos inúmeros problemas da educação.

Salários baixos,  condições de trabalho, democratização da gestão escolar,  a centralização dos conselhos de educação, as questões das aprendizagens  tanto do professor quanto do educando são algumas das questões  que estão sempre em foco em reportagens e tomadas de posição dos governos municipais estaduais e federal.

Porém, sabemos que todas essas questões perpassam pelas secretarias municipais de educação, que nem sempre agem condizentes com seu papel de gestoras de politicas públicas municipais de educação.
Algumas secretarias  municipais são na verdade depósitos de empregos,de nepotismo, são produtoras de eventos grandiosos  feitos muitas vezes para "segurar " o secretário em seu cargo, e feitos de pequenas ações educativas  descoordenadas de uma politica pedagógica efetiva, baseada num planejamento coerente com a realidade do município.

É triste chegarmos ao século XXI reféns de educadores dessa estirpe. Sim, porque  na maioria das vezes, temos professores e professoras no cargo de secretários, que esquecidos de suas vocações baixam a cabeça para as politcagens a quem são submetidos.
Isso  é  mais um dado de descaso na educação brasileira.
Quanto as secretarias de educação, de fato e de direito contribuem efetivamente para a democratização da educação, para a melhoria da aprendizagem, para  a conquista da democracia e da cidadania?

Sem falar nos municípios pequenos onde acontecem de tudo, com pessoal desqualificado  tecnicamente para assumirem cargos de responsabilidades, que  necessitam habilidades e competências específicas
Muitos acreditam que o fato de os gestores municipais não se importarem com as politicas públicas vem da omissão da sociedade, que não é interessada em debater sobre  a educação.

Mas eu prefiro fazer uma provocação: Em que momento  a  sociedade é chamada para debater?

Continuo a provocação há realmente  interesse honesto que a sociedade participe das tomadas de decisão? Queremos  a família na escola para que? para doutrina-las na educação familiar? ou queremos a família na escola para participar da gestão?

Essas  são questões que como educadores temos que refletir e chamar a atenção para o debate na escola.
Até quando vamos deixar que os interesses políticos  se sobreponham ao verdadeiro direito humano que é ser educado numa escola democrática e  para todos?

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Contos

Não deixem de ler.

Mais de 60 contos de autores consagrados escritos para crianças, jovens e adultos e publicados em NOVA ESCOLA. Boa leitura!



http://origin.revistaescola.abril.com.br/leitura-literaria/era-uma-vez-contos.shtml

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Oportunidade de Estágio



SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL
 
A ong SUSTENTARTE está realizando uma parceria com a CASA COR- RJ, onde estará desenvolvendo o projeto “Mata atlântica: a casa de todos nós”.
Serão 40 dias de evento onde serão realizadas atividades de educação e percepção ambiental e produção e venda de mudas de mata atlântica.
Para participar desse projeto estamos selecionando 2 estagiários.
 
PERFIL:
- Ser residente no Rio de Janeiro
- Ser estudante de biologia, engenharia florestal, geografia, pedagogia e afins.
- Ter experiência com trabalhos envolvendo crianças e educação ambiental.
- Ter experiência de cuidados com mudas de árvores nativas em viveiros.
- Ser comunicativo, saber trabalhar com dinâmicas de grupos e capacidade de falar em público.
 
Duração do estágio: 31 de agosto a 14 de outubro.
Carga horária: 36 horas semanais (terça a domingo de 12:00 ás 18:00)
Remuneração: R$ 600,00 (Seiscentos reais)
 
A Sustentarte oferecerá um curso de capacitação em educação ambiental e certificação do estágio.
 
Interessados favor enviar currículos até 27 de agosto para o e-mail: projetoescolafloresta@gmail.com
 

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Meu dia na Bienal de São Paulo

Estive na Bienal de São Paulo para contar a  história do meu livro " A História de Chico Mendes para Crianças"  no estande da AELIJ( Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil) , da qual sou associada.
Foi um dia feliz para mim, e embora estive fazendo muito frio, o calor gostoso da garotada me aqueceu.

Sugestão de Leitura

 Sugiro  essa leitura aos interessados na praxis do Coordenador Pedagógico na escola.

Coordenação pedagógica: uma práxis em busca de sua identidade 

 Texto de Maria Amélia Santoro Franco

 http://www.metodista.br/ppc/multiplas-leituras/multiplas-leituras-01/coordenacao-pedagogica-uma-praxis-em-busca-de-sua-identidade/
Ando meio sumida, trabalhando muito e revendo algumas coisas que precisavam ser revistas há muito tempo.
Nesse intervalo fui a São Paulo para a Bienal do livro e estive em Goiás fazendo Educação Ambiental.
  Porém, o que de mais interessante aconteceu foi eu ter aceitado o convite para participar da Coppir Japeri.
Mas tenho ressalvas.
Não se pode construir o futuro sem a memória do passado, sem os desenhos que já estavam lá expostos desde da construção do Nucleo Étnico em 2005.
E principalmente não se alicerça o futuro nem o presente, sem políticas públicas.  
Sinceramente?
Não sei se fico muito tempo.